Cientistas que analisaram vestígios de 16.000 anos atrás encontrados em Idaho, Estados Unidos, postulam que os primeiros seres humanos que viveram na América do Norte teriam chegado por mar e não por terra, como propõe a teoria geralmente aceita.

A teoria aceita propõe que os primeiros colonos chegaram pelo Estreito de Bering depois que as geleiras que bloquearam o acesso foram deslocadas, do norte da Ásia há 14.800 anos atrás, mas a datação por radiocarbono e a análise bayesiana colocam os restos encontrados de milênio antes, segundo o estudo publicado no Science el 29 de agosto.

Por sua parte, Loren Davis, arqueólogo da Universidade Estadual de Oregon em Corvallis, que liderou as escavações, foi quem propôs também a possível rota que os recém-chegados teriam seguido 16 mil anos atrás.

[Surpresa na Áustria: investigam o corpo de um padre que se mumificou]

“À medida que as pessoas descem a costa, a primeira curva à esquerda para chegar ao sul e sobe a bacia do rio Columbia”, propôs o arqueólogo, então as pessoas do Oceano Pacífico seguiriam mais de 500 milhões de quilômetros por afluentes do mesmo rio até chegar ao sítio arqueológico de Cooper’s Ferry em Idaho, onde encontraram os objetos estudados, de acordo com sua versão.

Como vestígios semelhantes foram encontrados no Japão entre 16.000 e 13.000 anos atrás, Davis e outros colegas argumentam que os primeiros habitantes da América do Norte provavelmente vieram desses lugares. Alguns cientistas discordam da teoria de Davis.

Ferramentas de pedra, como pontas de lança, restos de uma fogueira e ossos quebrados de animais de médio a grande porte foram encontrados em 1997, mas naquela época a datação exata usada atualmente é desconhecida.

O arqueólogo Davis retornou ao Cooper’s Ferry em 2009 e continuou cavando até 2018.

José Ignacio Hermosa – BLes 

Categorias: Mundo

Vídeo em destaque

Ad will display in 09 seconds