De acordo com informações compiladas pelo Minghui.org, em julho de 2019, 922 praticantes do Falun Gong na China foram presos e 289 perseguidos por sua fé.

Entre os praticantes visados, 481 tiveram suas casas saqueadas e pelo menos 571 permanecem detidos no momento da redação deste informe.

O último dia 20 de julho de 2019 marcou o 20º aniversário da perseguição do regime comunista chinês ao Falun Gong, uma prática de mente e corpo baseada nos princípios da Verdade, Compaixão e Tolerância.

Logo após sua introdução pública em maio de 1992, cerca de 100 milhões de cidadãos chineses adotaram a prática em sete anos. A popularidade inesperada e a defesa de virtudes antigas que o regime havia se esforçado muito para substituir pela ideologia comunista acabaram desencadeando a repressão sem precedentes que continua até hoje.

A cada ano, próximo do aniversário da perseguição, batizada como uma das “datas sensíveis” pelo governo chinês, as autoridades costumam intensificar prisões e assédio aos praticantes do Falun Gong na tentativa de silenciá-los para não falarem sobre a perseguição da sua fé.

De acordo com as informações disponíveis, os praticantes visados em julho deste ano são provenientes de 27 províncias e municípios controlados centralmente. Vinte e uma das regiões relataram prisões com números de dois dígitos, com a província de Hebei tendo o maior número de praticantes presos (181), seguido por 133 presos na província de Sichuan e 89 na província de Shandong.

Muitas das prisões em julho deste ano foram bem organizadas e por grupos, com casos reportados em pelo menos, um terço das províncias.

Particularmente, 123 dos praticantes visados no mês passado têm 65 anos ou mais, sendo o mais velho com 90 anos e 5 entre 85 e 88 anos. Entre esses idosos, 105 foram presos e 18 perseguidos.

Em 20 de julho de 2019, o Sr. Wu Xianguo, 90 anos, e sua esposa, Sra. Luo Mianjin, 80 anos, da cidade de Mianyang, província de Sichuan, foram assediados, logo após se mudarem para um novo apartamento. A polícia vasculhou seu apartamento e exigiu que eles abrissem cada um de seus armários para ver se havia algum material relacionado ao Falun Gong.

Ressaltamos que com a rigorosa censura às informações na China, os casos de perseguição nem sempre podem ser relatados em tempo útil e nem todas as informações estão prontamente disponíveis.

A seguir estão breves relatos de algumas prisões e casos de assédio.

Prisões em grupo

Cidade de Jiamusi, província de Heilongjiang: 15 praticantes do Falun Gong presos em três dias

Quinze moradores da cidade de Jiamusi, província de Heilongjiang, incluindo um homem de 86 anos, foram presos em três dias em julho de 2019. Foi relatado que as prisões foram orquestradas pelo Departamento de Segurança Pública da província de Heilongjiang. Algumas delegacias de polícia locais em Jiamusi receberam quotas. A polícia monitorou os telefonemas dos praticantes, suas atividades diárias através de câmeras de vigilância e os seguiram antes de realizar as prisões.

As Sras. Feng Guifen e Che Hongyu foram presas na casa da Sra. Feng na tarde de 25 de julho.

A Sra. Fan Guiqin foi presa em sua casa, diante de seu marido acamado, na manhã de 26 de julho. À tarde, a polícia prendeu e interrogou o filho e filha da Sra. Fan, o Sr. Wen Cai e a Sra. Wen Hua, nenhum deles praticante do Falun Gong.

A Sra. Yang Minjiang, o Sr. Che Weiqi, de 86 anos; um praticante com o sobrenome Duan; uma praticante de sobrenome Shi; e outro praticante, cujo nome ainda não foi investigado, também foram presos em 26 de julho de 2019.

O Sr. Zhang Guohai; a Sra. Duan Yifa; uma praticante de sobrenome Li, com cerca de 60 anos; uma praticante de sobrenome Dong e sua mãe, irmã e cunhado foram presos em 27 de julho.

Cidade de Jilin, província de Jilin: Pelo menos 24 praticantes do Falun Gong e dois cônjuges foram presos em um dia

Pelo menos 24 praticantes do Falun Gong na cidade de Jilin, província de Jilin, e dois de seus cônjuges que não praticam o Falun Gong, foram presos em 19 de julho de 2019. As prisões começaram às 14 h do dia 19 de julho.

Metade dos praticantes presos teve suas casas saqueadas e seus materiais do Falun Gong e computadores confiscados.

64 praticantes do Falun Gong presos em duas semanas na província de Sichuan

64 praticantes do Falun Gong em sete cidades da província de Sichuan foram presos entre 5 e 18 de julho de 2019, por não renunciarem à sua fé. Todas as prisões em cada cidade ocorreram em um dia; as prisões provavelmente foram organizadas e coordenadas por toda a força policial da província de Sichuan.

Dentre as 64 prisões, 37 ocorreram na cidade de Chengdu em 10 de julho, 11 na província autônoma de Liangshan Yi em 14 de julho, seis na cidade de Nanchong em 5 de julho, seis na cidade de Suining em 18 de julho, duas na cidade de Meishan, uma na cidade de Panzhihua em 6 de julho e uma na cidade de Mianyang em 11 de julho.

Além disso, desde 18 de julho, vários praticantes na cidade de Dazhou foram perseguidos pela polícia.

Cidade de Tangshan, província de Hebei: Nove praticantes do Falun Gong presos em um dia

Nove praticantes do Falun Gong na cidade de Tangshan, província de Hebei, foram presos na manhã de 3 de julho de 2019 por sua fé.

Os praticantes visados foram os Srs. Yang Xiaoming, Tian Shisheng, Sra. Tian Shulan, Sr. Shi Weidong, sua esposa Sra. Lu Cuijun e irmã Shi Yanli, Sras. Liu Xiuhua, Liu Xiaofang e um praticante cujo nome está sendo investigado.

Além dos nove praticantes, o Sr. Peng Shucai foi preso dois dias depois, em 5 de julho. Esta é a terceira prisão do Sr. Peng por sua fé.

Três das casas dos praticantes presos foram saqueadas.

Cidade de Longkou, província de Shandong: Oito praticantes do Falun Gong presos e cinco perseguidos por sua fé

Oito moradores da cidade de Longkou, província de Shandong, incluindo um de 81 anos, foram presos ao longo de dois dias em julho de 2019 por se recusarem a abandonar a sua fé no Falun Gong. Outros cinco praticantes do Falun Gong foram assediados.

Dirigidas pela Divisão de Segurança Interna da cidade de Longkou, várias delegacias policiais locais enviaram agentes para prender e assediar os 13 praticantes depois de monitorar seus telefones celulares durante algum tempo.

O Sr. Yao Xinren, Sras. Yuan Yuqin, Xiu Yongjie e um praticante de sobrenome Fu foram presos em 3 de julho.

As Sras. Chen Guihua, Chen Guizhi, Song Yuqiu e Xu Guiqing, de 81 anos, foram presas em 4 de julho.

Mais de 20 moradores de Chongqing presos enquanto estudavam juntos o Falun Gong

Mais de 20 moradores de Chongqing, incluindo uma mulher de 82 anos, foram presos em 23 de julho de 2019 enquanto estudavam juntos o Falun Gong na casa da Sra. Wen Tingyu. Foi confirmado que os praticantes presos incluem as Sras. Wen Tingyu; Zhang Yougao, de 82 anos; Zhang Lan; Yuan Rong; Zhou Dulun; Guo Zhongbi e Zhang Hongrong.

Mais de 70 policiais estiveram envolvidos nas prisões. Eles levaram os praticantes às respetivas delegacias da vizinhança e os interrogaram. Eles também saquearam as casas dos praticantes e confiscaram seus livros do Falun Gong e materiais relacionados.

Além disso, outra mulher, Sra. Yu Yeying, foi presa em sua casa no mesmo dia.

Seis residentes idosasde Xangai foram presas enquanto liam os ensinamentos do Falun Dafa

Seis residentes idosas de Xangai foram presas em 15 de julho de 2019 enquanto liam juntas o Zhuan Falun, o livro principal do Falun Gong.

Os praticantes presos foram as Sras. Xie Sinan, de 83 anos, Sra. Li Caifeng (ou Li Cuifeng), 75 anos, Sra. Guo Sujiao, 75 anos, Sra. Sun Wenjuan, 72 anos, Sra. Zhang Meizhen, 72 anos, e Sra. Jin Shumin, 56 anos. As prisões aconteceram na casa da Sra. Jin.

Todas as praticantes foram interrogadas separadamente à noite uma a uma na delegacia.

Segundo a polícia, eles estavam monitorando as praticantes há muito tempo antes de prendê-las.

Oito residentes de Guangzhou, incluindo seis na faixa dos 70 e 80 anos, presos por sua fé em dois dias

Oito moradores da cidade de Guangzhou, província de Guangdong, a maioria idosos, foram presos de 9 a 10 de julho de 2019. A polícia acusou os praticantes de usar seus telefones como pontos de acesso para divulgar informações sobre a perseguição.

Seis praticantes foram presos em 9 de julho, incluindo o Sr. Ma Minqing; sua mãe, Sra. Wang Xuezhen, de 79 anos; Sra. Zhang Hui, com 60 anos; Sra. Lin Zuoying, 80 anos, e dois outros praticantes na casa dos 80 anos.

Dois outros praticantes, a Sra. Liang Huichan e o Sr. Zeng Jiageng, ambos com 77 anos, foram presos em 10 de julho.

Sra. Lian Zuoying

Sr. Zeng Jiageng

Todos os praticantes estão atualmente detidos no Primeiro Centro de Detenção da cidade de Guangzhou.

Quando o advogado do Sr. Zeng Jiageng o visitou no centro de detenção em 15 de julho, ele disse a seu advogado que nunca pode ter acesso ao seu telefone. Ao ouvir isso, os guardas levaram apressadamente o advogado embora antes que o tempo previsto para a reunião terminasse.

A última prisão do Sr. Zeng ocorreu enquanto seu filho, Sr. Zeng Hao, professor universitário, cumpria uma pena de três anos e meio, por publicar informações sobre o Falun Gong nas redes sociais. O apelo do jovem Sr. Zeng contra seu veredito foi anulado pelo Tribunal Intermediário de Guangzhou em junho de 2019.

Mais detenções

Esposa com quase 80 anos épresa por sua fé, marido acamado luta para encontrar cuidador

A Sra. Fan Guiqin, de quase 80 anos, estava entre os 15 praticantes do Falun Gong presos na cidade de Jiamusi, província de Heilongjiang, entre 25 e 27 de julho de 2019. Ela foi levada diante de seu marido acamado na manhã de 26 de julho.

A polícia também vasculhou sua casa e confiscou todos os seus livros do Falun Gong, uma foto do fundador da prática e materiais relacionados.

À tarde, a polícia prendeu e interrogou o filho e a filha da Sra. Fan, Sr. Wen Cai e Sra. Wen Hua, nenhum dos quais pratica o Falun Gong. A polícia ameaçou prender a irmã mais nova da Sra. Fan, Fan Guifen, que agora é forçada a viver longe de casa para se esconder da polícia.

O marido da Sra. Fan, o Sr. Wen Defang, um veterano da Guerra da Coreia, sofreu um derrame e está acamado e incontinente há 15 anos, período em que dependia da esposa para ajudá-lo em suas necessidades básicas. A prisão dela o deixou lutando para encontrar um cuidador.

Sra. Fan Guiqin e seu marido acamado, Sr. Wen Defang

Calouro da faculdade detido em Xangai por praticar o Falun Gong

O Sr. Zhong Yiming, 19 anos, está detido em Xangai desde o início de julho de 2019 por divulgar informações sobre o Falun Gong. No entanto, as autoridades se recusam a divulgar o seu paradeiro para seus pais.

O Sr. Zhang, natural da cidade de Dalian, província de Liaoning, é calouro na Universidade de Shanghai Jiao Tong.

A universidade notificou seus pais e eles voaram para Xangai no dia 3 de julho. Eles só foram informados de que seu filho estava sob investigação por praticar o Falun Gong, já que a câmera de vigilância da escola o pegou distribuindo materiais do Falun Gong no campus.

A universidade o denunciou à polícia de Xangai e está o enviou a um centro de detenção em Xangai em 5 de julho, por ele se recusar a renunciar a sua crença. Seus pais tentaram descobrir onde ele estava detido, mas sem sucesso.

As autoridades de Xangai receberam muitos telefonemas de todo o mundo pedindo a libertação do Sr. Zhong. Eles agora o culpam por ter conexões com “forças ocidentais”.

Também foi relatado que a polícia de Xangai voou para a cidade de Dalian em 22 de julho, na tentativa de prender a sua avó, que está na casa dos 80 e também é praticante do Falun Gong.

Polícia quebra as costas de mulher e a mantém detida por 15 dias sem prestar assistência médica

A Sra. Yao Weimin, uma moradora de 62 anos da cidade de Suzhou, província de Jiangsu, foi presa em 3 de julho de 2019 por sua fé no Falun Gong. Ela foi levada para a delegacia e trancada em uma gaiola de metal.

Oito policiais vieram e tentaram obter suas impressões digitais. Ela resistiu enquanto eles seguravam suas mãos. Uma policial atingiu a região lombar da Sra. Yao com o joelho, fazendo com que ela caísse imediatamente no chão. Eles pegaram as impressões digitais de suas mãos e pés.

Em seguida, ela foi deixada na gaiola de metal sem receber comida ou água por um dia. Ela não conseguiu se levantar e também se sentiu extremamente desconfortável ao se sentar. A pedido dela, uma policial comprou pão no dia seguinte com o dinheiro da Sra. Yao.

Na noite de 4 de julho, quando a polícia a transferiu para o Centro de Detenção Lumu, ela foi incapaz de se mover por causa da lesão nas costas. Ela estava com muita dor quando tossia. Cinco dias depois, a pressão arterial subiu para 200 mmHg.

Quando ela foi liberada após 15 dias de detenção, estava magra e desfigurada. Sua família a levou para um hospital e ela foi diagnosticada com uma fratura de compressão na coluna.

Quatro residentes de Heilongjiang presos por sua fé,o quinto é forçado a viver longe de casao quinto é forçado a viver longe de casa

Em 16 de julho de 2019, cinco moradores da cidade de Zhaodong, província de Heilongjiang, foram denunciados às autoridades por conversarem com pessoas sobre o Falun Gong. A polícia veio e prendeu quatro praticantes – as Sras. Li Yali, Li Yali, Zhang Guorong e sua mãe, e o Sr. Yang Xuewen. A quinta praticante, Sra. Yan Zhiqiu, sofreu uma convulsão no local e a polícia não a levou.

Quando a polícia foi à casa da Sra. Yan na tarde do dia seguinte, ela já havia saído para evitar ser presa. A polícia voltou várias vezes depois para assediar a sua família.

Todos os quatro praticantes detidos foram enviados para centros de detenção e suas casas foram saqueadas.

Esposa perseguida até a morte, homem de Hebei preso

O Sr. Liu Guoping e Wang Hong, outro praticante do Falun Gong, ambos residentes da cidade de Cangzhou, província de Hebei, foram denunciados às autoridades quando estavam distribuindo materiais sobre a perseguição ao Falun Gong em 7 de julho de 2019. Ambos praticantes foram presos e estão detidos em um centro de detenção local.

Quando seus familiares foram à delegacia para solicitar a sua libertação, a polícia disse que eles precisavam mantê-los sob custódia para cumprir sua quota e os dois praticantes seriam liberados após o tempo máximo de 15 dias de detenção.

O Sr. Liu não é o único em sua família que foi alvo por causa de sua fé no Falun Gong. Sua esposa, a Sra. Wu Baoling, morreu anos atrás em resultado de perseguição. Ela atribuiu ao Falun Gong a recuperação da sua saúde, mas era frequentemente assediada por seu local de trabalho e pela polícia por se recusar a renunciar à sua fé após o início da perseguição.

Sua saúde entrou em colapso depois que ela foi detida por 15 dias [o mês e ano exatos de detenção ainda precisam ser investigados], mas a polícia a perseguia em casa. Ela não conseguiu suportar a pressão e faleceu dois meses após sua libertação.

Duas mulheres de Jiangxi são presas

Em 18 de julho de 2019, mais de 20 policiais invadiram a casa da Sra. Chen Baozhi na cidade de Nanchang, província de Jiangxi. Eles prenderam ela e outra praticante que a visitava, Sra. Jiang Lanying por causa de sua fé no Falun Gong. A polícia confiscou 280 mil em dinheiro e outros pertences pessoais.

Foi relatado que a polícia vigiou a Sra. Chen com câmaras de vigilância durante mais de duas semanas. Eles estavam familiarizados com a casa e o ambiente ao redor. Eles vieram preparados com a chave de sua casa e a invadiram depois de eles mesmos abrirem a porta.

Homem de Shannxi é severamente espancado antes de ser preso

Em 15 de julho de 2019, sete policiais invadiram a casa do Sr. Yang Xin em um bairro da cidade de Baoji, província de Shannxi, quando ele estava no quintal da frente lavando roupas. Eles o arrastaram para dentro e começaram a espancá-lo.

Sua mãe, com quase 80 anos, ouviu o filho gritar no quintal e entrou para detê-los. Mas a polícia a empurrou para outro quarto e a trancou.

Eles levaram o Sr. Yang para fora algemado mais de uma hora depois e tentaram levá-lo embora. Quando o Sr. Yang se recusou a entrar no carro da polícia e resistiu, a polícia novamente o espancou severamente na frente de transeuntes.

Depois que o Sr. Yang foi levado, outro grupo de policiais veio e saqueou a sua casa.

Casos de assédio

Mulher de Xangai de 74 anos, colocada sob vigilância 24 horas pela quarta vez em nove meses

A Sra. Li Meizhen viu-se novamente sob vigilância 24 horas em 16 de julho de 2019, por praticar o Falun Gong. Esta é a quarta vez que a mulher de 74 anos é monitorada de perto pela polícia desde que se mudou para o distrito de Songjiang, em Xangai, no ano passado.

A Sra. Li disse que os policiais da delegacia de Dongjing a vigiaram em datas sensíveis e durante grandes eventos. Os policiais estacionam seus carros do lado de fora do prédio e se revezam para monitorá-la. Eles também a seguem para onde quer que ela vá, restringindo completamente sua liberdade pessoal. A vigilância durou de 16 a 23 dias a cada vez.

Casal de idosos em Sichuan é perseguido e sua casa saqueada

A Sra. Luo Mianjin, com 80 anos, e seu marido, Sr. Wu Xianguo, 90 anos, acabaram de se mudar para a casa alugada há um mês. No entanto, a polícia invadiu sua antiga residência em 20 de julho de 2019, quando ninguém estava lá.

A testemunha contou que mais de 20 policiais chegaram e tentaram arrombar a porta, mas falharam. Um ferreiro foi chamado mais tarde e abriu a porta. Mas eles não encontraram nada. Eles não conseguiram abrir a porta do quarto e foram embora.

Cinco policiais foram à sua nova casa na noite do mesmo dia. O casal recebeu ordens para abrir as portas e gavetas do armário, mas a polícia não encontrou nada.

Mais tarde, eles levaram o casal de volta para sua antiga casa e procuraram minuciosamente, mas sem sucesso. Fotografaram eles e os enviaram de volta para sua nova casa.

Mulher de Hunan, de 88 anos, é assediada

A Sra. Zhang Shengying, 88 anos, moradora da cidade de Huaihua, província de Hunan, foi à delegacia de Chengzhong para entregar os materiais do Falun Gong a um chefe de polícia.

Como o diretor não estava lá, a Sra. Zhang decidiu se sentar em um banco para descansar um pouco antes de sair por causa do calor. No entanto, dois policiais carregaram a Sra. Zhang com o banco e a jogaram do lado de fora. Um policial empurrou-a para o chão.

No dia seguinte, a Sra. Zhang voltou com outra praticante, a Sra. Lei Huamei, e pretendiam informar mais a polícia sobre o Falun Gong. A polícia ameaçou saquear a casa da Sra. Lei.

Três policiais foram à casa da Sra. Zhang em 25 de julho e a assediaram.

Mulher de Shandong com cerca de 80 anos, é assediada

A Sra. Wang Guiyun, de 81 anos, vive sozinha na cidade de Gaomi, província de Shandong. Cinco policiais liderados por Zheng Dengsheng, um membro do comitê residencial local invadiram sua casa em 23 de julho de 2019.

Todos os policiais estavam à paisana sem mostrar suas identificações ou mandado de busca. Eles confiscaram seus livros do Falun Gong e alguns outros pertences relacionados ao Falun Gong.

Casa de homem de Gansu foi saqueada enquanto ele estava detido

O Sr. Han Xun, de 53 anos, foi preso em 29 de maio de 2019 por sua fé no Falun Gong. Sua prisão foi aprovada em 26 de junho e ele está no centro de detenção.

A polícia levou o Sr. Han à sua casa em 31 de julho. Eles abriram a porta à força e revistaram sua casa por mais de uma hora. Nenhum dos outros membros da família do Sr. Han foi notificado sobre a busca à casa.

O Sr. Han, um empresário de sucesso, sofreu uma  brutal perseguição nos últimos anos, incluindo dez anos de prisão.

Categorias: Mundo

Vídeo em destaque

Ad will display in 09 seconds