A Sra. Huang Jinrong de 54 anos, é praticante de Falun Gong na cidade de Songyuan, província de Jilin, tem suportado severa e sistemática tortura por anos. Em 2004 foi detida e submetida à trabalho forçado; em setembro de 2007 foi detida novamente e sentenciada a três anos de prisão e foi para um centro de detenção para mulheres de Changchun, foi torturada à beira da morte na chamada “cama de estiramento”. A Sra. Huang era vendedora de frutas em Songyuan, apanhava seguidamente de seu ex esposo, para ela a vida não tinha mais esperança, inclusive depois de casar de novo, não era feliz. Em março de 1999 conheceu Falun Gong pelo seu irmão e começou a praticar, os ensinamentos de Falun Gong abriram seu coração, e finalmente conheceu o propósito de um ser humano, descobriu o humor e vivia em harmonia com sua família.

Depois que Jiang Zemin começou a perseguir Falun Gong em 1999, se empenhou a esclarecer a verdade para as pessoas. Ela divorciou-se do segundo esposo pela pressão e a propaganda mentirosa sobre o Falun Gong.

Em 2004, a Sra. Huang foi detida quando deu um panfleto de Falun Gong a um polícial civil, na delegacia, um policial bêbado bateu na sua cabeça violentamente várias vezes, e foi detida no centro de detenção da cidade de Songyuan por três meses; suportou um ano e meio de trabalho forçado antes de ser enviada para o Campo de Trabalho Forçado Feminino de Heizuizi e foi para o pavilhão número 6 do campo, um guarda chamado Ding Caihong recrutou os colaboradores para tentar forçá-la a escrever uma declaração de garantia. Quando ela se recusou, os guardas usaram pontas elétricas para eletrocutar suas mãos, boca e pescoço, o que fez sua boca inchar e seu corpo se torcer de dor; foi forçada a ficar muitas horas em uma oficina em trabalho escravo, fazendo roupas, os adesivos usados eram altamente tóxicos.

Foi liberada depois de terminar a sentença completa

Em setembro de 2007, detida novamente e levada ao centro de detenção de Songyuan, negou dar informações sobre outros praticantes durante o interrogatório intenso e também a usar uniforme da prisão; ficou encarcerada por duas semanas. Em 1 de abril de 2008 foi sentenciada à três anos de prisão e levada a prisão para mulheres de Heizuizi, ficou no“pavilhão de doutrinamento”,que está voltado especialmente para praticantes de Falun Gong, os presos as observavam de perto, não tem permissão para ter contato com ninguém e era obrigada a sentar em um pequeno banco e assistir os vídeos que caluniavam o fundador do Falun Dafa; quando recusava ver os videos, apanhava do preso Han Yue; ficou em estado deplorável por sentar no pequeno banco durante tanto tempo; uma vez, Han Yue deitou sobre ela e bateu no seu rosto violentamente.

Os presos, Han Yue e o Guan Lijie, a forçaram ficar em pé das 5 hs da manhã ao meio dia, e quando chegou a hora de comer, foi obrigada sentar agachada; usar banheiro apenas três vezes ao dia; essa tortura durou 48 dias que suas pernas e seus pés ficaram tão inchados que ela mal podia colocar sapatos.

Como ela se recusou a ser “transformada“, os presos a prendiam na cama esticando as pernas e os braços, bateram-lhe com um bastão de madeira que seu quadril ficou muito machucado

Foi torturada com a “cama de estiramento” repetidamente por mais de três meses, suas mãos e pernas ficavam amarradas ao quadro de uma cama e esticadas até que seu corpo ficasse suspenso no ar; apesar de tudo isso, ele ainda se recusou a desistir de sua fé em Falun Gong.

Ilustração da tortura “cama de estiramento”

Na tentativa de forçá-la a desistir do Falun Gong, os detentos usaram uma vez suas roupas para amarrar sua cabeça em seus braços enquanto ela estava na “cama de estiramento”; um dia quente de verão, a Sra. Huang estava com dor extrema e sentindo-se sufocada, com o rosto roxo e a transpiração escorria, desmaiou. No dia seguinte, foi enviada para a clínica da prisão e desmaiou várias vezes ao longo do caminho, como não havia ninguém na clínica, eles a mandaram de volta para a prisão. Chegou ao ponto de não conseguir mais se mover.

Quando ela foi levada de volta para a clínica na segunda-feira, foi diagnosticada com trombose na perna devido à restrição da circulação sanguínea prolongada, se o coágulo chegasse no coração poderia morrer; encaminharam para o Hospital da Polícia em Changchun onde ficou por mais de um mês sem melhorar por longo tempo; voltou para a clínica da prisão e ficou mais um mês.

Eventualmente, ela não pode mais andar e ficou na cama por dois anos e meio em sentença de prisão.

Em 2011, foi liberada da prisão de mulheres de Heizuizi.

Fonte: Minghui.org

Categorias: China Mundo

Vídeo em destaque

Ad will display in 09 seconds