Muitos se sentiram inspirados a se tornarem melhores versões de si mesmos

Por Annie Wu, Epoch Times

NOVA IORQUE – Enquanto os oradores subiram ao pódio e compartilharam suas jornadas de auto-aperfeiçoamento, muitos na platéia enxugaram as lágrimas em silêncio.

Muitos se sentiram inspirados a se tornarem melhores versões de si mesmos.

“É tão comovente ver alguém que está preparado para ser tão vulnerável”, disse Mark Hutchison, um empresário de Perth, na Austrália.

Uma audiência de mais de 10.000 pessoas assiste à conferência do Falun Dafa no Barclays Center, no Brooklyn, NY, em 17 de maio de 2019 (Edward Dye / The Epoch Times)Hutchison e mais de 10 mil outros praticantes da disciplina espiritual Falun Dafa se reuniram no Barclays Center, no Brooklyn, em 17 de maio, para uma conferência de um dia.

Os participantes vieram de todo o mundo, como evidenciado pela variedade de idiomas disponíveis para tradução simultânea dos discursos, incluindo chinês, espanhol, alemão, coreano, japonês e italiano.

O Falun Dafa, também conhecido como Falun Gong, é uma disciplina de auto-aperfeiçoamento tradicional chinesa cujos praticantes vivem de acordo com os princípios morais de verdade, compaixão e tolerância. Eles também fazem cinco séries de exercícios de meditação.

Na China, as práticas espirituais eram frequentemente transmitidas de mestre para estudante, através das gerações. O Falun Dafa, uma prática antiga, foi introduzido pelo Sr. Li Hongzhi ao público em maio de 1992 na cidade de Changchun, no nordeste da China. Desde então, espalhou-se pela China e por mais de 70 países.

A conferência também foi uma celebração dos 27 anos desde a introdução do Falun Dafa.

Uma audiência de mais de 10.000 pessoas assiste à conferência do Falun Dafa no Barclays Center, no Brooklyn, NY, em 17 de maio de 2019 (Edward Dye / The Epoch Times)
Uma audiência de mais de 10.000 pessoas assiste à conferência do Falun Dafa no Barclays Center, no Brooklyn, NY, em 17 de maio de 2019 (Edward Dye / The Epoch Times)

Hutchison disse que depois de aprender o Falun Dafa, ele se tornou uma pessoa mais calma e ganhou uma compreensão mais profunda de como encontrar um propósito na vida. “Nós preenchemos nossas vidas com tantas tarefas … mas por que somos humanos?” Ele disse.Perseguição

O Falun Dafa alcançou enorme popularidade na China, com 70 a 100 milhões de adeptos em 1999, segundo as agências de notícias ocidentais, citando estimativas oficiais.

O então líder supremo do Partido Comunista Chinês (PCC), Jiang Zemin, temia que os ensinamentos morais tradicionais da prática se mostrassem mais atraentes para o povo chinês do que a ideologia ateísta do partido.

Em 20 de julho de 1999, Jiang lançou uma campanha nacional para erradicar a prática. Os adeptos eram cercados e jogados em prisões, campos de trabalho, centros de lavagem cerebral e outras instalações, onde eram frequentemente torturados em um esforço para forçá-los a desistir de sua fé.

O site Minghui.org, que serve como uma central de notícias sobre a perseguição, confirmou 4.304 mortes por tortura e abuso. Acredita-se que o número real seja muito maior, devido à dificuldade de obter informações da China.

Além disso, acredita-se que um grande número tenha sido assassinado através da pilhagem de seus órgãos. Desde que o Epoch Times divulgou a história da extração forçada de órgãos na China em 2006, pesquisadores independentes e jornalistas investigaram e confirmaram alegações de que o regime chinês está extraindo órgãos de prisioneiros de consciência vivos, principalmente praticantes do Falun Dafa, para uso no sistema de transplante de órgãos do país.  Pesquisadores chamaram isso de “genocídio frio”. Como parte integrante da perseguição, o aparato de propaganda do PCC lançou uma campanha para difamar a prática e seus adeptos.

Muitos dos oradores em 17 de maio relataram seus esforços em aumentar a conscientização sobre a perseguição na China e as dificuldades que experimentaram ao fazê-lo.

Uma jovem que atualmente mora em Tóquio falou sobre suas experiências de conversar com turistas chineses sobre a perseguição ao Falun Dafa.

Muitos acreditavam na propaganda do regime chinês e tinham sentimentos negativos em relação ao Falun Dafa, às vezes gritando ou xingando ela e outros voluntários do Falun Dafa que tentavam falar com eles.

Mas a jovem percebeu que deveria ser gentil e paciente com eles, apesar de seu ódio. Depois de contar a eles sobre como o regime chinês divulgou propaganda odiosa sobre o Falun Dafa, muitos turistas mudaram suas atitudes.

Rob Gray, um praticante do Falun Dafa do Reino Unido, fala na conferência no Barclays Center, no Brooklyn, N.Y., em 17 de maio de 2019 (Larry Dye / The Epoch Times)
Rob Gray, um praticante do Falun Dafa do Reino Unido, fala na conferência no Barclays Center, no Brooklyn, N.Y., em 17 de maio de 2019 (Larry Dye / The Epoch Times)

Rob Gray, do Reino Unido, falou sobre seus esforços para atrair funcionários do governo sobre a questão da extração forçada de órgãos de praticantes do Falun Dafa na China.Gray falou sobre seus esforços para aumentar a conscientização sobre o assunto no Parlamento do Reino Unido e na União Européia, e como ele perseverou na difícil e cansativa tarefa de coordenar os esforços de divulgação devido a sua crença de que mais pessoas precisavam ouvir sobre essas atrocidades que ainda estão ocorrendo na China hoje.

Fundador do Falun Dafa faz aparição

O fundador do Falun Dafa, o Sr. Li, veio falar na conferência. Em chinês, o Sr. Li é muitas vezes referido como “shifu”, um termo de respeito por um grande professor. Após sua aparição no palco, o Sr. Li foi recebido por uma ovação de pé.

O Sr. Li falou por cerca de duas horas, discutindo desafios que os praticantes do Falun Gong enfrentam em seus esforços para aumentar a conscientização sobre a perseguição. Depois de seu discurso, que foi entregue sem o uso de notas, ele respondeu a perguntas da platéia.

Para William Wang, 42 anos, esta foi a primeira vez que ele participou de uma importante conferência sobre o Falun Dafa desde a imigração de Pequim para os Estados Unidos em 2018.

William Wang, originalmente de Pequim, na conferência do Barclays Center Falun Dafa, em 17 de maio de 2019 (Nicole Hao / The Epoch Times)
William Wang, originalmente de Pequim, na conferência do Barclays Center Falun Dafa, em 17 de maio de 2019 (Nicole Hao / The Epoch Times)

Ouvir o Sr. Li falar em pessoa provocou sentimentos profundos de gratidão e admiração em Wang. “Nos primeiros 15 minutos, eu nem percebi que é real que eu possa ouvir Shifu pessoalmente”, disse Wang.Wang disse que também estava muito animado em se encontrar com tantos praticantes do Falun Dafa e ouvir seus discursos.

Nicole Hao contribuiu para esta reportagem.

Fonte: Epoch Times

Categorias: Mundo

Vídeo em destaque

Ad will display in 09 seconds