Por Jennifer Zeng

Aviso: este artigo contém imagens de vítimas de tortura.

Desde que a perseguição ao Falun Gong começou em 1999, relatos surpreendentes de tortura em campos de trabalho chineses, centros de detenção e prisões foram denunciados, mas tirar fotos ou filmar dentro desses lugares nunca foi possível, muito menos divulgar esse material.

Um praticante do Falun Gong chamado Yu Ming mudou isso.

Yu conseguiu adquirir vídeos gravados secretamente dentro do famoso Campo de Trabalho de Masanjia e da Prisão de Benxi, e conseguiu vazar as filmagens.

Na prisão de Benxi, Yu usou câmeras escondidas para documentar a morte de um praticante devido a tortura e preservou o relato escrito de outro. Estas são as suas histórias.

Vídeo filmado em 2016, no Hospital Central de Benxi, mostrando Hu Guojian algemado à cama enquanto em coma:

Morte de Hu Guojian

Em 2017, Yu foi detido no hospital da Prisão de Benxi, na província de Liaoning, por praticar o Falun Gong; foi sua quarta prisão. Lá, ele encontraria o colega praticante Hu Guojian, ambos arrebatados pela perseguição.

Prisão de Benxi, filmado com uma câmera escondida por Yu Ming em 2017:

O Falun Gong, também conhecido como Falun Dafa, foi introduzido pela primeira vez ao público na China em 1992 e se espalhou rapidamente de boca em boca. Uma prática espiritual tradicional, o Falun Gong envolve viver de acordo com os princípios de verdade, compaixão e tolerância e praticar cinco séries de exercícios de meditação.

Hu Guojian antes da perseguição (Minghui.org)

O então chefe do Partido Comunista Chinês, Jiang Zemin, temia a popularidade do Falun Gong e, em particular, como seus ensinamentos morais tradicionais poderiam ser mais atraentes para o povo chinês do que a ideologia ateísta e materialista do PCC.

Em julho de 1999, Jiang ordenou uma campanha para erradicar a prática.

Uma filmagem panorâmica de Yu Ming, sobre Hu Guojian em sua cama de hospital:

Hu Guojian, um praticante do Falun Gong de 45 anos, da cidade de Fushun, na província de Liaoning, no nordeste da China, foi preso novamente em 7 de julho de 2015, cinco anos depois de ter sido libertado de uma prisão de dez anos. Desta vez ele foi condenado a quatro anos de prisão.

Em 4 de maio de 2016, Hu foi transferido para a prisão de Benxi, onde foi submetido a trabalhos forçados, privação de sono e falta de comida. Quando sua esposa o visitou 19 dias depois, ficou alarmada ao descobrir que ele havia perdido um terço de seu peso, de mais de 90 kg , para menos de 50 kg.

Imagens filmadas em 2017 no hospital da Prisão Benxi, mostrando Hu em sua cama de hospital:

Em 26 de maio, Hu foi levado ao banheiro pelo preso Wang Xingang, e os detentos Yuan Dejia e Yu Changlong. Eles tiraram as roupas de Hu, derramaram água gelada em cima de sua cabeça várias vezes, depois forçaram-no a sentar em um banco pequeno e não permitiram que ele dormisse.

Por volta das 22h, Hu perdeu a consciência e caiu no chão. Os detentos chutaram sua cabeça e o agrediram duramente.

Imagens filmadas em 2017 no hospital da prisão de Benxi mostrando Hu em coma:

Quando isso não o ressuscitou, ele foi levado às pressas para o hospital, onde foi diagnosticado com uma grave hemorragia cerebral que exigiu neurocirurgia.

Hu entrou em coma, apenas 22 dias após sua transferência para a prisão de Benxi. Ele nunca recuperou a consciência.

Depois de oito meses no hospital, apesar de seu estado vegetativo, Hu recebeu alta e foi levado de volta à prisão para terminar sua sentença.

Prisão de Benxi, filmado com uma câmera escondida por Yu Ming em 2017:

Foi nesse estágio que Yu conseguiu filmar secretamente algumas imagens de Hu deitado na cama em coma.

Depois de cumprir sua sentença de 4 anos, Yu foi libertado em 31 de outubro de 2017. Ele começou a contatar a família de Hu e tentou buscar justiça para Hu.

Imagens filmadas em 14 de maio de 2018, com uma câmera escondida dentro do Benxi Central Hospital, mostrando a família de Hu chorando no hospital:

De manhã cedo, em 14 de maio de 2018, a família de Hu foi subitamente notificada pelas autoridades da prisão de que Hu estava em estado crítico e havia sido mandada de volta para o Hospital Central de Benxi.

Já era meio-dia quando a família de Hu chegou ao hospital, junto com Yu. Yu começou a filmar secretamente assim que chegaram. Ele entendeu a importância de documentar tudo em vídeo.

Havia mais de uma dúzia de policiais no local. Eventualmente, eles descobriram que Yu estava gravando em vídeo.

Eles estavam com raiva e imediatamente quiseram confiscar a câmera escondida de Yu. Quando Yu tentou segurar a câmera com força, suas mãos começaram a sangrar enquanto a pegada e a aderência se tornavam fortes demais. No final, ele teve que deixar ir.

Filmagem realizada em 14 de maio de 2018, com uma câmera escondida dentro do Benxi Central Hospital, mostrando a família de Hu Guojian chorando:

O que a polícia não descobriu, no entanto, foi que Yu tinha duas câmeras escondidas nele. A polícia encontrou e tirou o que estava preso em sua camisa; mas não conseguiu notar a outra em seu pulso.

Horas depois da chegada de sua família no hospital, Hu morreu aos 48 anos de idade.

Até hoje seu corpo ainda está congelado e armazenado no necrotério. Sua família se recusou a cremar o corpo, acreditando que isso deveria ser mantido como evidência para mostrar que sua morte foi causada pelo espancamento na prisão de Benxi. Eles querem buscar justiça.

As autoridades uma vez se ofereceram para pagar à família de Hu 100 mil yuans (US$ 14.866) para “resolver” esse assunto e fazer com que o corpo de Hu fosse cremado. Mas sua família recusou.

Yu disse que a família de Hu tem sofrido tremendamente desde sua morte. Sua mãe ficou tão triste que sua doença cerebrovascular piorou e ela ficou paraplégica. Seu filho está estudando na universidade. Sua esposa não tem um emprego em tempo integral e teve muita dificuldade para sustentar toda a família.

A mãe de Hu tinha que ser enviada para um lar de idosos e muitas vezes queria cometer suicídio, já que ela não queria ser um fardo para a esposa de Hu.

 

 

01:27
06:43

 

Morte de Lu Yuanfeng

Yu também documentou a morte induzida pela tortura de Lu Yuanfeng.

Yu conheceu Lu, um agricultor de 62 anos de Daxing Village, na cidade de Shenyang, província de Liaoning, também no hospital da prisão de Benxi, no final de 2016.

Lu Yuanfeng antes da perseguição (Minghui.org)

Lu acabara de ser torturado muito severamente, inclusive sendo eletrocutado por 45 minutos com tacos de choque elétrico de alta voltagem e sendo colocado em confinamento solitário. Depois que o médico descobriu que ele sofria de hipertensão e de que ela estava perigosamente alta, ele foi enviado para o hospital.

Depois de aprender sobre a situação de Lu, Yu sugeriu que Lu escrevesse o processo de sua tortura e fizesse uma queixa formal contra seus torturadores, o que ele fez.

Carteira de identidade, carta manuscrita e uma foto de Lu Yuanfeng:

Na sua queixa por escrito contra Jia Changhai (número de identificação da polícia: 2151227), chefe da Brigada de Educação e Disciplina da Ala nº 2 da Prisão de Benxi, Lu escreveu:

“Às 9h do dia 9 de novembro de 2016, o réu Jia Changhai ordenou que Wang Kebin me levasse ao Departamento de Educação e Disciplina da Ala No. 2. Depois que entrei no escritório, Jia Changhai perguntou se eu ainda acreditava no Falun Gong. Eu disse sim. Então Jia Changhai e outro guarda da polícia, Niu Dai, algemaram minhas mãos nas minhas costas, apertaram-me no chão e chocaram minhas costas, peito, cabeça e mãos por mais de dez minutos, até que a bateria acabou. Sofri continuamente, minhas costas não paravam de doer. Durante todo o processo, Niu estava pisando na minha cabeça.”

Depois de escrever a carta de reclamação, Lu quebrou a caneta esferográfica, sacudiu a tinta, pressionou o polegar sobre a tinta e então digitalizou a carta de forma que ela fosse “legalmente” e oficialmente assinada, de acordo com a tradição chinesa.

Na verdade, Lu foi eletrocutado por mais 35 minutos até a bateria se desgastar no terceiro bastão naquele dia. Depois que ele finalmente concordou em renunciar ao Falun Gong, Jia parou a tortura. Niu nunca levantou o pé da cabeça de Lu durante toda a provação de 45 minutos.

Lu ficou no hospital da prisão por apenas 10 dias antes de ser levado de volta e continuou a ser torturado e condenado a fazer trabalhos forçados.

Em 26 de agosto de 2017, Lu teve um derrame e caiu, quebrando as pernas. A prisão mandou-o para um hospital externo para fazer uma radiografia, mas o levou de volta sem procurar mais tratamento médico.

Quando Lu foi libertado em 19 de novembro de 2017, sua condição era tão ruim que ele estava praticamente paralisado com as pernas quebradas e a visão prejudicada. Além disso, ele não podia mais falar corretamente.

Vinte e um dias depois, Lu morreu em casa aos 63 anos.

Prisão Benxi filmado com uma câmera escondida por Yu Ming:

Yu conseguiu que a carta de reclamação de Lu fosse contrabandeada para fora da cadeia enquanto ainda estava na prisão, já que não era seguro manter a carta lá. Depois que Yu foi libertado, 20 dias antes da liberação de Lu, ele conseguiu recuperar a carta de Lu de onde ela estava escondida. Então ele começou a tentar entrar em contato com a família de Lu, para ver se algo poderia ser feito a respeito de levar à justiça os guardas da polícia que torturaram Lu.

Como ele não tinha as informações de contato de Lu, levou um bom tempo para descobrir o endereço dele.

No entanto, ele chegou na casa de Lu apenas para descobrir que ele acabara de morrer.

“Eu mal posso descrever como me senti então”, disse Yu. “Além dessas duas mortes que eu consegui documentar com vídeos, havia mais de uma dúzia de praticantes do Falun Gong ao meu redor que haviam sido torturados até a morte durante a perseguição. Quantas vidas a mais temos a perder antes que os assassinatos sejam interrompidos?

Indivíduos que foram mortos na China pelo regime por acreditarem no Falun Gong. O site Minghui.org, que serve como um centro de informações sobre a perseguição ao Falun Gong, confirmou 68 mortes de praticantes do Falun Gong por perseguição em 2018. O número real é considerado maior, devido à dificuldade de obter informações da China (Minghui.org)

Fonte: Epoch Times

Categorias: Mundo

Vídeo em destaque

Ad will display in 09 seconds