Países concordaram em reiniciar discussões comerciais e evitar novas imposições de tarifas. Trump também disse que vai levantar bloqueio contra Huawei.

Os presidentes dos Estados Unidos, Donald Trump, e da China, Xi Jinping, concordaram neste sábado (29/06) em retomar negociações comerciais após uma reunião bilateral, que ocorreu no último dia do encontro de cúpula do G20 em Osaka, no Japão.

“Tivemos uma reunião muito boa com o presidente chinês Xi. Eu diria que excelente”, afirmou Trump. A agência de notícias chinesa Xinhua, por sua vez, informou que as negociações, interrompidas em maio, serão retomadas e que Washington desistiu da ameaça de impor novas tarifas de importação que teriam afetado 500 bilhões de dólares em produtos chineses importados.

“Estamos de volta aos trilhos e vamos ver o que acontece”, disse Trump a repórteres, depois de uma reunião de 80 minutos com o presidente chinês.

A trégua é similar a que foi declarada pelos dois presidentes na cúpula do G20 do ano passado em Buenos Aires, embora meses depois a guerra comercial tenha recomeçado. Trump disse que, embora não pretenda suspender as tarifas de importação existentes, ele vai evitar impor novas cobranças em bens chineses adicionais.

“Estamos segurando as tarifas e eles comprarão produtos agrícolas”, disse, sem dar detalhes sobre compras futuras de produtos agrícolas pela China. “Se chegarmos a um acordo, será um evento muito histórico”.

Trump não estabeleceu um cronograma para o que chamou de acordo complexo, mas disse que não estava com pressa. “Quero fazer direito”, afirmou.

O presidente americano também falou, sem entrar em detalhes, sobre a possibilidade de suavizar o veto ao grupo tecnológico chinês Huawei, mas sem explicar se isto significa uma mudança de postura efetiva de Washington em relação à empresa.

“Nós acordamos que as empresas americanas podem vender produtos para a Huawei”, disse Trump,  sem especificar se a companhia será removida da lista do Tesouro dos EUA onde estão incluídas empresas vetadas de fazer negócios com os americanos.

JPS/efe/rt/afp

Fonte: DW

Categorias: Mundo

Vídeo em destaque

Ad will display in 09 seconds